PUC-Rio

Jornal/Revista: Jornal do Brasil
Data de Publicação: 01/12/1986
Autor/Repórter: Fátima Tucci

SBT ABRE GUERRA CONTRA O IBOPE

São Paulo - A segunda maior rede de televisão brasileira, o SBT, do grupo Sílvio Santos, resolveu assestar baterias contra o ibope. Seu superintendente comercial, Rubens Carvalho, reclama pelo fato de o Ibope voltar a deter o monopólio dos serviços à mídia com a fusão com a Audi-TV e questiona sua metodologia e amostras utilizadas. Afinal, segundo ele, o Ibope influi na destinação de 55% de toda a verba publicitária do Brasil, estimado este ano em Cz$ 17,9 bilhões, da qual a televisão (e principalmente a Rede Globo) receberá Cz$ 8,4 bilhões e o rádio Cz$ 1,4 bilhão.

Rubens Carvalho pergunta:

- Como se explica a rede Globo ter sido líder de audiência no dia 25 de agosto de 1985, quando ficou fora do ar das 19h25m às 20h05min, em Salvador? A audiência da TV Aratu (Globo) subia de 37% para 44% e 69%, enquanto a da TV Bahia (Manchete), única a permanecer no ar, caia de 11% para 9,1%.

Também parecem a ele estranhas as oscilações registradas durante um outro jogo de futebol transmitido ao vivo pela TV Bahia: às 17 horas havia 15% de Ibope, meia hora depois 2%...

E lembra o caso de pessoas que saíram de outras emissoras e foram para a Globo, fazendo o mesmo programa e obtendo altas impressionantes, como Jacques Custeau, Chacrinha e Xuxa:

- As pessoas são as mesmas. Os programas mudam pouco. Então alguma coisa está errada para as diferenças serem tão brutais,

O SBT está exibindo atualmente cinco séries simultaneamente com os Estados Unidos: Miami Vice, Esquadrão Classe A, Bronx, O Homem Que Veio do Céu e Cidade Infernal. E o resultado é uma audiência insignificante. A série Miami Vice, sucesso absoluto nos Estados Unidos, onde merece capas de revistas, com um custo de 1,5 milhão de dólares por capítulo, não consegue sequer 10 pontos de audiência no Brasil. Nesse caso, o argumento constantemente utilizado é que a Rede Globo tem a seu favor o "poder de chamada". Mas é um argumento que, segundo Rubens Carvalho, pode ser facilmente rebatido, porque o SBT tem no programa Sílvio Santos o grande carro-chefe, com força teoricamente suficiente para atrair telespectadores para as maiores exibições da semana.

Em 1978, Rubens Carvalho propôs à Associação Brasileira de Anunciantes a criação de um instituto próprio de pesquisa, inutilmente. Recentemente pensou em fazer uma auditoria no Ibope, mas, após sua equipe verificar o processo, concluiu pela ''existência de tantas brechas que tornariam o processo falho''. A principal delas seria o modelo exclusivo de computador, permitindo que apenas o Ibope faça a leitura dos resultados das pesquisas.

A metodologia. mais passível de erro seria o flagrante domiciliar, ou porta-a-porta, em que o entrevistador toca a campainha das casas e pergunta se o televisor está ligado e em que emissora está sintonizado. As dúvidas são se a pessoa que atende é confiável para dar a resposta (empregada, criança ou indivíduo em outra atividade), se há receptividade do morador e como fica a medição dos apartamentos ou domicílios de classe A que proíbem a entrada de estranhos.

Por este e outros argumentos, Rubens Carvalho questiona até o critério de classificação socioeconômica, segundo o qual o SBT é uma emissora destinada aos públicos C e D, até porque, confessa: "Este é o meu sonho." Rubens Carvalho questiona também a eficiência do meter, aparelho instalado em 250 domicílios do Rio e 250 domicílios da capital e Interior de São Paulo, que, por serem eletrônicos, registram a mera sintonia do aparelho independente da presença física do telespectador.

A mudança de métodos, apesar de tender ao aperfeiçoamento, comprova, segundo Rubens Carvalho, a vulnerabilidade das pesquisas Desde 1950, por exemplo, o Ibope utilizou o flagrante domiciliar e agora muda para o sistema do caderno auto-preenchido:

- Portanto, durante 36 anos algumas emissoras perderam muito dinheiro. E agora quem diz que o novo questionário também não fará com que continuemos a perder dinheiro?

Fonte: Banco de Dados TV-Pesquisa - Documento número: 6401