PUC-Rio

Voltar

Nova Consulta

Jornal/Revista: Jornal do Brasil
Data de Publicação: 15/05/1993
Autor/Repórter: Ana Cláudia Souza

ENTREVISTA: JOSÉ CARLOS MARTINEZ

Não só a programação da OM está sendo reformulada. Na sede da emissora, no bairro de Pilarzinho, em Curitiba, está sendo construído o novo prédio onde funcionarão os estúdios para produção de teledramaturgia. Há equipamentos eletrônicos novos e a ambição de ampliar a rede que já atinge 53% do território nacional, incorporando as afiliadas da Rede Manchete. Nesta entrevista, José Carlos Martinez, diretor-presidente da Rede OM, futura CNT, fala de alguns projetos.

- Por que a mudança de nome?

- Chegamos à conclusão que o nome Organizações Martinez estaria sempre ligado ao nosso lado político e que essa não e uma vinculação inteligente. O segundo ponto é que pretendemos fazer uma mudança radical na forma de conviver com o público.

- Contribuiu para a mudança o fato da sigla OM aparecer vinculada ao esquema PC?

- Não diria que não teve certa influência. Todo o assunto Collor pesou na balança e de alguma maneira prejudicou a empresa, até mesmo pelo fato de eu ser um político. Mas não temos nenhuma ligação com este esquema e agora é a oportunidade de nos desvincularmos definitivamente.

- Qual a ordem dos investimentos feitos pela emissora para esta nova programação?

- Conseguimos uma parceria grande com o Bamerindus. que nos fez um financiamento de aproximadamente US$ 3 milhões, com 10 anos para pagar. Há também outros empresários que viram que a empresa é de futuro.

- Já conseguiram sair da crise?

- O pessoal que saiu da emissora - ou seja, Guga de Oliveira, Galvão Bueno e companhia limitada - deixou um rombo enorme. Chegamos a perder entre 4 e 5 milhões de dólares. A empresa estava toda endividada, atrasamos salários. Mas agora a casa já está novamente em ordem.

- Qual será o perfil da CNT?

- Pretendemos fazer uma televisão mais amiga, companheira, familiar e alegre. Todas as nossas novelas, que por enquanto são importadas, não têm sexo - pelo menos explícito. No passado, alguns profissionais daqui exageraram e começaram a colocar no ar filmes como Caligula, que não é o que imaginávamos fazer em TV. Queremos uma televisão-esperança. Nossa pretensão é trazer de volta programas como Amaral Neto, o repórter, que deixam o espectador pra cima, e não os do tipo Aqui e agora e Documento especial.

- Qual o espaço que a CNT quer ocupar?

- Não estamos pensando tão rigidamente no problema da audiência. Mas tendemos buscar o terceiro lugar.

- Há projetos na área de teledramaturgia?

- Se o programa Era uma vez.... um projeto meu, em que uma atriz conta histórias para as crianças, der certo, ano que vem pretendemos teatralizá-lo. O segundo passo é trazer de volta o teatro para a TV.

Voltar

Fonte: Banco de Dados TV-Pesquisa - Documento número: 101106