PUC-Rio

Voltar

Nova Consulta

Jornal/Revista: Jornal do Brasil
Data de Publicação: 15/10/2004
Autor/Repórter:

ISAURA NO SÉCULO 21

No dia 11 de outubro de 1976, ia ao ar, às 18h, na TV Globo, o primeiro capítulo de Escrava Isaura, que se tornaria um clássico das telenovelas brasileiras. Pois exatos 28 anos e uma semana depois, a Record estréia a sua versão do folhetim adaptado do romance de Bernardo Guimarães. O primeiro capítulo será exibido às 18h45 desta segunda. A Record foi buscar o mesmo diretor da novela da Rede Globo, Herval Rossano. Em 1976, Rossano dividia a direção com Milton Gonçalves e cuidava da direção geral. Agora, ele co-dirige ao lado de Emilio Di Biase e também é o diretor geral. O texto desta nova versão fica a cargo de Thiago Santiago e Anamaria Nunes, que ocupam o lugar de Gilberto Braga, autor do folhetim original. Rubens de Falco, que viveu Leôncio na trama da Globo, desta vez veste a pele de seu pai, o Comendador. No papel que foi de Lucélia Santos, Bianca Rinaldi. Ela é Isaura, moça nascida em 1835, na fazenda do Comendador Almeida, em Campos, filha da escrava Juliana (Viviane Porto) e do feitor da fazenda, seu Miguel (Jackson Antunes). Como sua mãe morre logo após o parto, Isaura é criada pela esposa do Comendador. Após expor este prelúdio, a trama avança até 1854, com Isaura aos 19 anos. Nesta época, retorna à fazenda Leôncio (Leopoldo Pacheco), filho do Comendador, que se apaixona pela escravinha mas não é correspondido. Eis que o Comendador e sua esposa morrem e em seu testamento garantem a alforria de Isaura. Leôncio, então, queima o documento e se torna senhor da moça, transformando sua vida em um tormento

Voltar

Fonte: Banco de Dados TV-Pesquisa - Documento número: 103119