PUC-Rio

Voltar

Nova Consulta

Jornal/Revista: Jornal do Brasil
Data de Publicação: 12/06/1992
Autor/Repórter: (editorial)

A PRÓXIMA ATRAÇÃO

Chegou a bom termo o caso da TV Manchete, que há meses vinha em situação difícil e passa às mãos do grupo IBF. Os novos donos se mostram dispostos a alçar a emissora a níveis competitivos de qualidade. Ao contrário das antigas TV Rio e TV Tupi, a Manchete conservou o trunfo de não ter chegado à condição de empresa destroçada.

O principal erro da emissora talvez tenha sido o de querer assemelhar-se aos padrões comerciais do mercado, nivelando-se por baixo. Entre o original e a copia, mesmo para baixo, o público vai preferir sempre o primeiro. Fora isso, as tentativas de erotizar uma parte da programação, se lhe renderam piques eventuais do Ibope, não foram suficientes para garantir-lhe posição de estabilidade no mercado. A experiência mostrou que cenas gratuitas de nudismo e de sexo não garantem audiência significativa nem melhoram a vida da emissora.

A credibilidade de uma emissora de TV é conquistada, entre outros fatores, pelo padrão homogêneo de programação e pela noção moral indispensável a quem lida com público invisível. Acender uma vela eventual ao demônio da audiência em troca de um segundo de publicidade, pode trazer prejuízos fatais à confiança na emissora. Existem canais de TV que apresentam, hoje, programação de causar vergonha, tal o baixo nível dos textos e das atrações. Mas, ao que se saiba, nenhuma dessas emissoras conseguiu manter presença no mercado. A responsabilidade social das emissoras não pode ser negligenciada sob nenhum pretexto.

Voltar

Fonte: Banco de Dados TV-Pesquisa - Documento número: 151692