PUC-Rio

Voltar

Nova Consulta

Jornal/Revista: Meio & Mensagem
Data de Publicação: 11/03/1991
Autor/Repórter: Lucélia Caseiro

TV JOVEM PAN NÃO DEFINE DATA DA INAUGURAÇÃO

Depois de cogitar pelo menos três diferentes datas para iniciar suas transmissões, a TV Jovem Pan decidiu "deixar de gerar expectativas", preferindo não definir nada por enquanto. De acordo com o diretor comercial da rede, Marcelo Mainardi, "fisicamente está tudo pronto", resta apenas a composição da equipe jornalística. Já o diretor de jornalismo da TV, Narciso Kalili, diz que para isso, "é preciso ser marcada a data de inauguração.

No início deste ano, as expectativas eram de que a nova emissora em UHF entrasse no ar até o final do mês de março. Marcelo Mainardi, entretanto, nem confirma nem desmente que isso ocorra. "Podemos inaugurar ainda este mês, como no próximo, ou no início de maio", ele afirma. "O prazo legal para que a emissora comece a funcionar vai até o final do ano e por isso Mainardi não demonstra preocupação. "Os maiores interessados somos nós", diz, lembrando que só pode faturar os contratos comerciais trinta dias depois que a emissora estiver no ar.

De acordo com o diretor comercial, os equipamentos e estúdios da nova televisão já estão prontos para operar, uma vez que a equipe técnica de 115 pessoas, está composta. "O que falta é a equipe de jornalistas", insiste, considerando que o processo de formação desse grupo é bem mais complicado. "Vamos mesclar profissionais novos aos mais experientes, que são mais difíceis porque quem é bom já está posicionado."

Sem revelar nomes, Mainardi conta que a TV Jovem Pan tem sondado alguns jornalistas que hoje trabalham em outras emissoras. Alguns deles já foram riscados da lista da empresa porque têm contratos milionários com outras redes. Outros exigem "até pagamento de luvas", como fazem os jogadores de futebol. "Estamos negociando", diz ele, informando que precisa de 300 profissionais para compor a equipe. "Por enquanto, temos o diretor de jornalismo, que sou eu, e o Raul Bastos", completa Kalili, para quem o adiamento do projeto deveu-se à edição do Plano Collor 2.

Segundo Mainardi, não apenas este pacote, mas todos os que o precederam nos últimos anos "acabaram atrapalhando a inauguração da TV Jovem Pan". Ele enumera os "contratempos" que vêm colaborando para o retardamento da entrada da emissora no ar, citando o atraso na entrega de equipamentos, recontratação de empreiteira, concordata do fornecedor de antenas e mesmo o "dinheiro bloqueado".

Enquanto convive com essas dificuldades, segundo Mainardi, a TV Jovem Pan está num processo burocrático de separação administrativa e contábil da rádio. Ele diz que até o final do ano passado a rádio vinha "alavancando" a televisão, estratégia que está sendo alterada neste momento.

Estão prontas também as peças da campanha de lançamento da emissora, sob a responsabilidade da Standard. Os negócios para veiculação foram todos feitos na base de permutas com mídia impressa e outdoor, além das inserções nas rádios da rede Jovem Pan e, por esse motivo, o diretor diz "não ser possível avaliar o investimento em publicidade". Adianta, porém, que Veja, Exame, Meio & Mensagem, "Estação" e Folha de S. Paulo fazem parte da mídia programada.

Já sobre os contratos comerciais, Mainardi prefere manter sigilo. Informa apenas que a emissora está negociando também na base de projetos", algo próximo à edição de programas especiais sobre empresas, mas sem vínculo com o conteúdo editorial da TV. Além disso, diz que pretende resgatar o comercial ao vivo. "Essa idéia adequa-se ao próprio estilo ao vivo da programação da emissora", completa.

Voltar

Fonte: Banco de Dados TV-Pesquisa - Documento número: 155560