PUC-Rio

Voltar

Nova Consulta

Jornal/Revista: Jornal do Brasil
Data de Publicação: 28/08/1991
Autor/Repórter: Apoenan Rodrigues

A INVASÃO CONTINUA

A mexicana Verônica Castro vai lançar disco no Brasil

SÃO PAULO - Quem está acostumado às aventuras de Cinderela mexicana na novela Rosa selvagem, do SBT, protagonizada pela atriz, apresentadora e cantora Verônica Castro, deverá achar no mínimo divertida sua ver são rap de La movida. seu mais recente sucesso em disco. La movida é também nome do programa diário, que apresenta ao vivo, na Televisa mexicana, das 23h à 1h, com a média de 48 pontos de audiência. Verônica Castro está no Brasil desde domingo. Ela veio falar sobre os planos de sua próxima invasão em terras brasileiras. Vai mostrar o lado cantante num disco a ser lançado pela PolyGram em outubro ou novembro, com dez canções. O repertório é uma mistura de dois dos três discos feitos com gravadora. Para homenagear os brasileiros que a ajudaram a levantar mais dólares, Verônica Castro - uma das artistas mais bem pagas o México - cantará metade das músicas em portunhol. Se o processo industrial permitir, o rap mexicano será incluído.

Desde que chegou ao país, Verônica não parou de falar sua frase predileta: voy a trabajar. Na segunda-feira se marchó para o Guarujá, no litoral paulista, e passou o dia sobre lanchas, ondas e pescados gravando cenas para a Televisa. À noite gravou uma entrevista para o Jô Soares onze e meia, e ontem pela manhã já estava literalmente fardada para enfrentar os jornalistas brasileiros num café coletivo no hotel Crowne Plaza. A tarde de ontem estava prevista para as compras, que indistintamente ela chama de trabajo. "Eu sou uma pessoa que não sabe estar tranquila num só lugar", avisou. "Gosto de diversificar." Em 25 anos de carreira, supostos 38 de vida, Verônica já fez cerca de 25 novelas, 25 peças de teatro e 21 filmes e gravou 13 LPs, que totalizam quase um milhão de cópias. Entre os LPs de maior sucesso, ela destaca um com o título sintomático de Macumba. "É um disco simpático, divertido, em que algumas das músicas falam de uma mulher que roubou meu amor."

Amor e suas conseqüências, na boca de Verônica, exercem limitações. Nas novelas que protagoniza, por exemplo, ela é absolutamente conivente com a censura mexicana. A tesoura da moral tem cortado as cenas mais tórridas de Dona Beja e Dancing days, duas novelas brasileiras atualmente em exibição no país dos astecas e maias. "As novelas são dirigidas à família, não é necessário mostrar as violações da sociedade", disse. "Sou conservadora e liberal ao mesmo tempo", desculpa-se. "Conservadora porque admito a censura, precisamos preservar a família, e liberal porque fui à universidade, sou contra o casamento." Verônica tem dois filhos, um de 16 anos, ator e cantor, e outro de 10, que só estuda, não quer saber das luzes.

Neste ponto, como sempre que se fala em intercâmbio latino-americano, as contradições afloram com fúria surrealista. Enquanto um país conservador como o México importa novelas com temas para chacoalhar os costumes - mesmo que seja para censurá-los -, o Brasil, supostamente liberal, joga ao sucesso histórias de maniqueísmo paleozóico. "Nós preferimos o lado mais sentimental", ela diz. Segundo a artista, já houve tentativas de mudar as novelas no México quando produziram gêneros dirigidos ao público adulto. Não deu certo. Continua em voga a linha lacrimejante, embora as histórias venham correndo sérios riscos por motivos absolutamente prosaicos. No México não existem mais galãs. "Ou são muito jovens, ou estão na faixa dos 50 anos, gostaria que vocês me apresentassem os galãs brasileiros", enfatizou.

O assanhamento de Verônica Castro - uma mulher bonita, mas excessiva, que garante não ter feito nenhuma operação plástica - não se dirige somente aos galãs de telenovelas. Ao saber que sua colega Gabriela Rivero, a professorinha de Carrossel, desceu a rampa junto com o presidente Collor, imediatamente ela perguntou aos executivos da PolyGram se também podia. "Não me importa a rampa, com todo o respeito, ele é um guapo."

Voltar

Fonte: Banco de Dados TV-Pesquisa - Documento número: 16527