PUC-Rio

Voltar

Nova Consulta

Jornal/Revista: Jornal do Brasil
Data de Publicação: 17/03/1993
Autor/Repórter:

GREVE DA MANCHETE CONTINUA

No Rio, funcionários só voltam ao trabalho com dinheiro na conta

A situação da TV Manchete continua num impasse. Os funcionários em greve por falta de pagamento ainda ocupam o quarto andar do prédio da Glória, paralisando toda a atividade da rede no Rio. O que o carioca assiste, ao sintonizar o canal 6, é a programação que São Paulo emite para o Sumaré e de lá se exibe para todo o pais. Os grevistas tentam a adesão do pessoal do Sumaré, mas o local está com a segurança reforçada pelas polícias Civil e Militar, e somente dois chefes de setor continuam trabalhando normalmente para operar os transmissores da TV Manchete.

Anteontem à noite, a presidência da emissora propôs aos funcionários o pagamento dos salários atrasados, sem correção monetária, em parcelas quitadas do próximo dia 26 de março até 16 de abril. Um plano de ajustes do salário defasado só seria discutido em uma reunião no dia 15 de abril. Em assembléia ontem, às 13h, em frente ao prédio da Glória, os empregados recusaram a proposta. Primeiro querem o dinheiro na conta, depois retornam ao trabalho.

A greve de ocupação continua. Com a conivência de Adolpho Bloch, proprietário do prédio ocupado pela Manchete, que só pede aos grevistas para não depredarem o patrimônio. Mas, por enquanto, a greve é pacífica. Os sindicatos dos radialistas e jornalistas acompanham de perto as negociações e já têm um fundo de greve para auxiliar os funcionários que se revezam em vigílias 24 horas por dia. Eles recebem dinheiro para o transporte e auxílio para alimentação. Só quatro pessoas ainda trabalham no prédio, com o aval dos sindicatos - um representante do departamento jurídico, dois da administração e um da área comercial. O resto foi impedido de continuar pelos grevistas.

Hoje é um dia decisivo para as negociações. O presidente Itamar Franco prometeu uma reunião entre o ministro do Trabalho, Walter Barelli, o ministro das Comunicações, Hugo Napoleão, e o presidente da Rede Manchete, Hamilton Lucas de Oliveira. Enquanto isso, São Paulo continua a produzir a programação. A sede carioca não consegue a adesão dos companheiros paulistas porque estes só não receberam o salário de fevereiro e acabaram de aceitar a proposta da emissora de efetuar o pagamento em três parcelas.

Voltar

Fonte: Banco de Dados TV-Pesquisa - Documento número: 20947