PUC-Rio

Voltar

Nova Consulta

Jornal/Revista: Folha de S. Paulo
Data de Publicação: 28/03/1993
Autor/Repórter: Ricardo Valladares

FUNCIONÁRIOS EM GREVE SEQUESTRAM FITAS

A direção da Manchete teve que se virar para manter no ar a programação da rede na última semana. Funcionários das sedes do Rio e São Paulo, sem salário desde dezembro, resolveram ampliar sua greve, em curso intermitente desde fevereiro. As novelas "Dona Beija" e "Valéria e Maximiliano", por exemplo, estão fora do ar há mais de dez dias: 1.300 funcionários acampados na emissora, no Rio, não permitem que as fitas deixem o arquivo da rede.

A rede usou enlatados para cobrir os buracos na programação. Os programas "Clodovil Abre o Jogo" e "Almanaque", que vinham sendo feitos ao vivo por falta de condições para a gravação, entraram em reprise. No departamento de jornalismo de São Paulo, apenas 3 de 56 funcionários trabalhavam.

Na terça-feira, os funcionários da Manchete em São Paulo receberam proposta verbal da direção da emissora, que prometeu pagar 50% dos salários de fevereiro. A proposta foi aceita. Na quinta-feira, dos 711 funcionários da Manchete paulista, apenas 100 continuavam em greve - e reclamavam não ter recebido o combinado. "Conferi o meu holerite de fevereiro e só foi depositado 40% na conta", dizia Adilson Mastellari da Silva, repórter da emissora.

"Houve um erro no banco", tentava explicar o diretor executivo de programação da emissora, Nilton Travesso. "Queremos resolver esta situação. A greve é um direito, todos estão certos, a empresa não está brigando com ninguém. Na próxima semana tentaremos um acordo com os funcionários do Rio".

Um show realizado na última quarta-feira no Circo Voador, Rio de Janeiro, arrecador fundos para ajudar as famílias dos grevistas. Batizado "O Rio é Manchete", o show teve a participação de Edson Cordeiro, Pau-linho da Viola, João Bosco e Moreira da Silva.

Voltar

Fonte: Banco de Dados TV-Pesquisa - Documento número: 21114