PUC-Rio

Voltar

Nova Consulta

Jornal/Revista: Jornal do Brasil
Data de Publicação: 15/04/1993
Autor/Repórter:

PIORA MAIS A CRISE NA MANCHETE

SÃO PAULO - A catastrófica situação da Rede Manchete tende a piorar. Há uma semana, o diretor-geral Xerxes Gusmão Neto, há 10 anos na casa, colocou seu cargo à disposição e saiu da emissora, não aceitando o convite para participar do Conselho Administrativo da IBF, empresa que comprou a TV de Adolpho Bloch. Xerxes foi substituído por César Castanho, ex-promotor de festivais de jazz e blues e diretor da Rádio Manchete, que já pegou o barco à deriva. Castanho disse que a emissora pagaria ontem 50% dos salários de fevereiro aos funcionários de São Paulo, o que não aconteceu. No Rio, os funcionários não recebem desde dezembro.

Com tanta falta de sintonia, Nilton Travesso, há 10 anos superintendente de programação e produção da TV Manchete, avisou ontem que só ficaria na emissora até o dia 30. O diretor-artístico Jayme Monjardim, demissionário desde segunda-feira, viajou para Portugal sem dar maiores explicações. No meio de tudo, a Central Única dos Trabalhadores (CUT) se mobiliza na disputa pelo espólio da TV. Hoje à tarde, no Rio, em encontro inimaginável há alguns anos, o presidente da CUT, Jair Meneguelli, se reúne com Roberto Marinho, presidente das Organizações Globo, para explicar o projeto da entidade sindical para a Manchete: uma TV pluralista, com a participação efetiva da sociedade civil.

Voltar

Fonte: Banco de Dados TV-Pesquisa - Documento número: 21275