PUC-Rio

Voltar

Nova Consulta

Jornal/Revista: Meio & Mensagem
Data de Publicação: 17/05/1993
Autor/Repórter: Luiz Moura

SBT PRETENDE CRIAR SISTEMA PARALELO DE AFERIÇÃO DE AUDIÊNCIA DE TV

Mercado não demonstra receptividade à iniciativa

A briga do SBT com o Ibope continua. Depois da ameaça de desestruturação do sistema de aferição de audiência do Instituto, o people meter, com a identificação da amostragem de residências, a rede do empresário Sílvio Santos está propondo a criação de um segundo instituto verificador de audiência, inclusive com a supervisão governamental, como chegou a divulgar o superintendente artístico e operacional, Luciano Callegari. O vice-presidente do SBT, Guilherme Stoliar, procurado por Meio & Mensagem, omitiu maiores detalhes sobre o assunto, preferindo aguardar até a reunião entre a Rede, ABA e Abap, no próximo dia 27. O vice-presidente do SBT questiona a validade dos levantamentos feitos pelo Ibope, e afirma que a emissora vem saindo prejudicada nas aferições de audiência. Um dos problemas apontados por ele foi a perda súbita de 20% de audiência verificada logo após a ampliação da amostragem do people meter em São Paulo há cerca de um ano e meio sem uma explicação técnica do Ibope.

De acordo com o diretor-superintendente do Ibope, Luiz Paulo Montenegro, a Televisão é um meio bastante dinâmico e variações de audiência são previsíveis. Ele afirma também que não é a primeira vez que o SBT contesta o Instituto, tendo havido até a encomenda de pesquisas há alguns anos, das quais não se soube o resultado depois. Sobre a necessidade de um segundo instituto de pesquisa de audiência, Montenegro afirma que isso é o mercado que avalia: "Já tivemos três institutos verificadores de audiência de televisão: o Ibope, o Marplan e o AudiTV. Os dois saíram do mercado e nós continuamos", observa. O AudiTV foi comprado pelo Ibope.

A julgar pela opinião de representantes de outros veículos e agências, o SBT deverá ficar sozinho nessa empreitada. O mercado manifesta interesse em continuar apostando no Ibope, mesmo admitindo que o sistema deva ser aperfeiçoado. Afinal, na ampliação da amostragem do people meter em São Paulo, foram investidos US$ 1,5 milhão, cotizados entre ABA, Abap e redes de televisão.

"Não sou contra a criação de um novo instituto. Até acho que seria bom para o mercado, na medida em que teríamos mais certeza da exatidão dos resultados. Só não sou a favor de novamente financiar esse sistema", afirma Rubens Furtado, superintendente comercial da Rede Bandeirantes. Segundo ele, as demais redes, que já vêm investindo no aprimoramento do people meter, com sucessivas reuniões para corrigir defeitos e mudar conceitos de aferição, foram surpreendidas com a disposição do SBT de contestar a eficiência do Ibope publicamente.

O vice-presidente de mídia da Almap/BBDO, Wagner Yoshihara, comenta que o Ibope tem se dedicado a várias atividades, inclusive na área de pesquisa de opinião pública em política, às vezes relegando a aferição de audiência para o segundo plano. Porém, em sua opinião, a existência de um concorrente é inviável. Para ele, se houvesse um maior investimento das agências na compra de dados, o Ibope teria mais recursos para investir e oferecer uma verificação de audiência com maior exatidão.

Voltar

Fonte: Banco de Dados TV-Pesquisa - Documento número: 21658