PUC-Rio

Voltar

Nova Consulta

Jornal/Revista: Jornal do Brasil
Data de Publicação: 08/02/1982
Autor/Repórter: Fernanda Torres

O QUE HÁ DE NOVO NO MUNDO DAS NOVELAS

As novelas permanecem imbatíveis como centro das programações de televisão. A TV Studios, até então cautelosa em relação a elas, se rendeu às evidências de audiência e começa a, gravar Destino, novelão bem ao estilo tradicional, escrita pela mexicana Marissa Garrido. Competindo no horário das 20h com a Globo, Destino, segundo o supervisor do Departamento e Novelas da TVS, Waldemar de Moraes, pode levar a emissora a atingir um mínimo de 15 a 20 pontos no IBOPE. A Globo, por seu lado, intensifica o horário das 18h, trazendo para o início da noite O Homem Proibido, folhetim de Nelson Rodrigues. Romântica, simples e ágil, a novela escrita por Teixeira Filho surpreenderá a audiência do horário mais ingênuo de novelas do canal 4. Na Bandeirantes, Os Imigrantes têm novos autores. Saiu Benedito Rui Barbosa, que foi substituído pela dupla Renata Palottini e Wilson Aguiar Filho, que tem a tarefa de continuar a saga da imigração por mais 100 capítulos.

TV STUDIOS: A PRIMEIRA NOVELA, IMPORTADA DO MÉXICO

SÃO Paulo - Um drama mexicano cuja idéia central é um triângulo amoroso será a primeira novela produzida pela TVS. Deverá estar no ar entre 10 e 15 de março, no horário nobre das 20h. Destino, seu título, foi escrita por Marissa Garrido, que, de acordo com Waldemar de Moraes, supervisor do Departamento de Novelas da emissora, é "a Janete Clair do México".

A primeira novela da TVS será curta. Com apenas 55 capítulos, ficará dois meses no ar. A emissora espera conseguir audiência para este horário e depois planeja lançar mais duas novelas, uma às 18h30m e outra às 19h. Uma delas já tem até seu tema escolhido: será uma novela religiosa, baseada na vida de um santo.

A tradução e a adaptação de Destino foram feitas por Raimundo Lopes, autor de Redenção, a mais longa novela da televisão brasileira, com 500 capítulos (ficou dois anos no ar).

A TVS faz planos para, mais adiante, colocar no ar três novelas nacionais. Há dificuldades, no momento, de encontrar um bom autor disponível, alega o supervisor do Departamento de Novelas: com a entrada da TV Cultura (canal 2 de São Paulo) na produção de telecontos e telerromances, todos os bons autores de novelas estão sob contrato. E o mesmo acontece com os atores, já contratados pela Globo, Bandeirantes ou Cultura.

- E não se pode arriscar em novela argumenta Waldernar. - Novela não é como um programa que pode ser modificado de uma hora para a outra.

Por este motivo não foi escolhido um autor novo, desconhecido, para escrever rã novela da TVS. Destino custa por mês à emissora Cr$ 10 milhões e começou a ser gravada há uma semana. No elenco estão Ruthinéia de Moraes (que substituiu Lia de Aguiar no papel principal), Flávio Galvão, Ana Rosa (atriz de extinta TV Tupi nos anos 60), Amilton Monteiro e Tânia Regiana (ambos atores de, teatro).

A história começa em 1958 e termina em 1982, circunstância que importa em gastos significativos com cenários e figurinos. Trata de um casal que vive muito bem até o dia em que o marido reencontra a antiga noiva. A direção de Destino é de David Grimberg, que fez novelas na antiga TV Excelsior, e Renato Petrauskas, que já dirige programas na TVS. A sonoplastia ficou a cargo de José Moura, profissional há mais de 20 anos da Tupi, Record e Bandeirantes.

Há um mês Waldemar de Moraes começou a testar jovens atores de teatro. Dos 1 mil 500 que se apresentaram atrás de uma oportunidade, foram selecionados cinco, e apenas dois ou três serão aproveitados nesta primeira novela. Novos testes estão planejados para esta semana.

Um mínimo de 15 a 20 pontos no Ibope é o que a TVS espera para a novela Destino. O supervisor do Departamento de Novelas confia em que a experiência dará certo, pois Destino fez muito sucesso no México há cinco anos

- Mesmo porque tem tradução adaptação de um brasileiro.

UM ANTI-NELSON RODRIGUES NO HORÁRIO DAS SEIS

Autor/Repórter: Jorge Antônio Costa

Publicado em folhetim há mais de 30 anos - eram 78 capítulos, que apareciam três vezes por semana no jornal última Hora - O Homem Proibido teve sua verdadeira autoria oculta durante algum tempo pelo pseudônimo Suzana Flag. Cerca de 100 mil pessoas de uma classe média baixa, calcula o autor da próxima novela das seis da TV Globo, Teixeira Filho, se deliciaram com as emoções da história de Nelson Rodrigues.

Transposto para o vídeo, o romance conserva a simplicidade de sua estrutura e um happy end que poderá surpreender os admiradores de Nelson Rodrigues, que sempre cultivou a fatalidade e a tragédia em seus desenlances.

Um quarteto amoroso formado por Sônia (Elisabeth Savalla), Joyce (Lídia Brondi), Dr Paulo (David Cardoso) e Carlos (Edson Celulari) constitui o núcleo ao qual se agregam as tramas paralelas criadas por Teixeira Filho.

Mimada por Sônia desde a infância, Joyce interfere em um romance da prima-irmã ao se apaixonar pelo médico da família, Dr Paulo. O médico ama Sônia, que, no entanto, prefere sacrificar sua felicidade em benefício da prima. Esta não hesita em empregar toda a malícia na disputa pelo amor do médico. Parece confuso, mas no final tudo se assenta nos seus devidos lugares.

Para criar as histórias paralelas ao centro da narrativa, Teixeira Filho introduziu cerca de 30 personagens, situados em cinco núcleos familiares, de diferentes classes sociais. Os pais de Sônia, que educaram também Joyce, são interpretados por Leonardo Villar e Lilian Lemmertz.

- Um enredo simples, ágil e romântico. Este romance é o anti-Nelson Rodrigues informa Teixeira Filho, autor da novela o Homem Proibido, inspirada na obra homônima de Nelson Rodrigues e programada para o horário das 18 horas.

Numa breve interrupção em suas quase 10 horas de trabalho diário em frente à máquina de escrever, Teixeira Filho lembra ser esta a primeira vez que um argumento de Nelson Rodrigues se transforma em uma telenovela com cerca de 150 capítulos - o equivalente a 75 horas distribuídas ao longo de cerca de seis meses.

Ele acredita que foi escolhido para o trabalho por causa de sua "habilidade especifica na transposição de romances" para o rádio e a TV (com mais de 20 anos de televisão, ele fez, entre outros trabalhos, a adaptação de Ciranda de Pedra, de Lígia Fagundes Telles, para a Globo). O que muitos chamam de adaptação, contudo, para ele é uma "transposição": inspirar-se em uma obra para criar novos personagens, "dando ao enredo uma dinâmica que o livro não tem".

Reinaldo Boury, o diretor, esclarece desde já, no entanto, que "a linha do livro será mantida, devido ao compromisso que a Globo assumiu com os herdeiros de Nelson Rodrigues". O final não vai ser alterado, garante. Teixeira Filho observa que "a Globo quis prestar uma homenagem à memória do grande dramaturgo que foi Nelson Rodrigues".

- A história, urbana e transposta para a nossa época, vai inteira, porque é muito boa e novelesca, dentro do esquema da Globo: uma mensagem de entretenimento, tendo como volta o resultado comercial através dos patrocinadores - diz o autor da novela.

Ele não crê, contudo, que Nelson Rodrigues venha a ser fator determinante para a audiência da novela, pois o público a que se dirige não está familiarizado com, a obra do dramaturgo. O Homem Proibido já está sendo gravada, sob a supervisão de Gonzaga Blota.

Um homem proibido fazendo O Homem Proibido - é como se vê, divertido, o ator e produtor cinematográfico David Cardoso, que ganhou o papel do médico jovem e bonito disputado por duas primas apaixonadas, na novela baseada em folhetim de Nelson Rodrigues. "Proibido", explica David, "porque todo filme de que participa trata de sexo e violência e não pode ser visto por menores de 18 anos."

O ator sabe, contudo, que agora será visto por um público diverso. Afinal, estará estrelando uma novela ingênua, própria para o horário das 18h, ainda que - embora não explicitamente - seu personagem revele características de inequívoco "objeto sexual". De um modo ou de outro, para o público ele terá que preencher a descrição que Nelson Rodrigues faz do Dr Paulo Vilani, em sua história: "Belo como um santo", conforme exclamavam suas pacientes.

David começou rio cinema em 1962, com Mazzaropi, e 11 anos depois montou sua produtora de filmes - a Dacar. Já participou de 55 filmes, pornográficos em sua maioria. Sua experiência em novelas limita-se a Cara a Cara, da Bandeirantes.

- O trabalho na TV - confessa, agora que está em O Homem Proibido - é difícil e está exigindo demais de mim.

Aos 37 anos, considera-se "velho" e lamenta pelo menos um aspecto de seu trabalho em televisão: ganha o* dobro na Dacar, assegura:

- Modéstia à parte, é uma das três maiores produtoras do país.

Voltar

Fonte: Banco de Dados TV-Pesquisa - Documento número: 4470