PUC-Rio

Voltar

Nova Consulta

Jornal/Revista: O Globo
Data de Publicação: 04/01/1998
Autor/Repórter: Luiz Augusto Michelazzo

DAS ÁGUAS DA BANHEIRA DO GUGU PARA AS PARTICIPAÇÕES NO 'TELETEATRO SBT'

Luiza Ambiel vai gravar sua primeira participação como atriz dramática

São Paulo - Ela é um dos trunfos do SBT na disputa pelo telespectador dominical. Quando a modelo Luiza Ambiel, de biquini cavado, mergulha sua invejável plástica no quadro "Na banheira do Gugu" os números do ibope saltam na audiência do Gugu Liberato. Depois de quatro anos nas graças da emissora, Luiza Ambiel está se preparando para novos projetos: participar do "Teleteatro SBT'.

AULAS DE INGLÊS PARA ESTUDAR NO ACTOR'S STUDIO EM NY

No episódio "O passado de Cláudia", do "Teleteatro", a moça da banheira aparecerá ao lado de Joana Fomm e Osmar Prado. Será Neli, vilã sedutora, especializada em falcatruas e em roubar o marido das outras. Como leva a sério sua carreira de atriz, este ano vai para Nova York fazer curso no Actors Studio. Para isso, já começou a estudar interpretação.

— Estou fazendo o curso do Beto Silveira. Mas odeio inglês. Faço porque não tem jeito de cursar o Actors Studio sem saber uma língua. Vida de artista é dura...'— diz.

Enquanto não começa a gravar o "Teleteatro", Luiza se dedica ao seu quadro no "Domingo legal". Sua predileção é fazer os convidados beberem água. Numa dessas brincadeiras, quase afogou Jô Soares e Tiririca.

A entrada em cena de Luiza Ambiel foi por acaso:

— Um domingo fui assistir ao programa, numa caravana de Indaiatuba (SP), onde morava. Estava escondidinha lá fundo da platéia, mas a produção me colocou sentada na frente. A câmera me focalizou várias vezes e acabei sendo convidada para participar de alguns quadros. A banheira veio em seguida.

A fama fez com que a modelo passasse por algumas situações constrangedoras. Luiza aceita o assédio dos fãs, mas quando a aproximação descamba para a grosseria, ela reage com veemência.

— Às vezes a cantada é gentil ou é engraçada. Mas detesto grosseria, gente que quer agarrar, passar a mão. Já cheguei a acertar um cara que se aproximou dizendo que era meu fã. O cretino me agarrou e queria me beijar na boca à força. Dei-lhe uma joelhada, que ele se dobrou no chão — conta.

Os inúmeras cantadas que sofreu deram à Luiza a experiência para saber que tipo de pessoa se dirige à ela:

— Recebo muita cantada, mas não é so de homem, de mulher também. Já fui tão cantada que agora, só pelo olhar de quem se aproxima, já sei se é fã ou cafajeste. Ou cafajeste (risos).

As mulheres são um caso à parte, segundo a modelo:

— Como as mulheres atacam! Passam a mão, beliscam. Telefonam, mandam flores...

Quando está na banheira com algum convidado, o clima também esquenta. Numa cena com Carlos Alberto Nóbrega, Luiza quase perdeu a cabeça com o diretor do SBT.

— Quase brigamos. Estávamos lutando para pegar o sabonete. De repente, vejo a parte debaixo de um biquini flutuando na água. 'Opa! Esse biquini é o meu! Gugu, ele desamarrou meu biquini!'. Nem me lembro como coloquei o biquini, mas fiquei furiosa, disse para o Gugu que ia bater nele.

O apresentador conseguiu contornar a situação e, hoje, Luiza e Nóbrega são bons amigos.

Fama não permite que modelo consiga namorar.

As viagens pelo interior do Brasil são uma aventura para Luiza. Ela e a banheira já percorram quase todos os cantos do país:

— Toda semana rodo o Brasil com o show da banheira. Tenho fãs em cidades desse país que ninguém ouviu falar. Dessas que depois que o avião pousa, tenho que rodar por mais de cinco horas de carro para chegar a algum lugar.

A agenda lotada faz com que a cobiçada modelo da banheira não tenha momentos para namorar ou mesmo para se relacionar com amigos.

— Infelizmente não tenho tempo para mim. Essa é a parte ruim. Tenho me sentido muito só, os amigos estão distantes e as pessoas que se aproximam sempre me vêem como a moça da banheira, não como a Maria Luiza Ambiel, que tem sentimentos, que quer ser amada, que gosta de conversar, de passear, de comer.

A forma física privilegiada de Luiza não tem mistério. Fechar a boca para a comida não faz parte de sua rotina de modelo e musa dos brasileiros.

— Detesto mulher magra! Não gosto de me ver magra, sem nada na frente, sem nada atrás. Gosto de ser como sou. Assim, com meus 64 quilos e acho que os homens também me preferem desse jeito. Agora, no Carnaval, a correria vai ser tanta que devo perder uns cinco quilos.

Esses 64 quilos são alimentados por um apetite de leoa, capaz de comer até pedra.

Voltar

Fonte: Banco de Dados TV-Pesquisa - Documento número: 49258