PUC-Rio

Voltar

Nova Consulta

Jornal/Revista: Folha de S. Paulo
Data de Publicação: 06/05/1993
Autor/Repórter: Ricardo Valladares

SBT QUER CRIAR ÓRGÃO DE PESQUISA DE AUDIÊNCIA

O SBT vai propor às emissoras e agências de publicidade a criação de um novo órgão de medição de audiência, que substitua o Ibope no fornecimento de dados. A proposta será lançada pela rede em uma reunião no próximo dia 27. Emissoras, redes — Globo incluída —, anunciantes e agências participem do encontro.

A vice-líder de audiência declarou guerra ao Ibope há um mês, ao colocar no ar uma campanha em que oferecia prêmios a quem provasse fazer parte da amostra utilizada pelo instituto. A campanha saiu do ar, mas o SBT continua colocando em dúvida dados do Ibope.

Mudanças súbitas no comportamento da amostra e diferenças entre a medição imediata (baseada em 250 domicílios) e a medição definitiva (com base em 600) são alguns dos problemas apontados pelo superintendente artístico e operacional do SBT, Luciano Callegari, 55. "Todas as emissoras são prejudicadas pelo Ibope ", diz.

Folha - O que o SBT vai propor no encontro entre as emissoras e agências?

Luciano Callegari - Vamos propor a criação de um novo instituto de pesquisa, que deve custar entre US$ 10 e 15 milhões. Dividiríamos esse valor com todo o mercado: as emissoras, inclusive a Globo, a ABA [Associação Brasileira de Anunciantes] e a Abap [Associação Brasileira de Agências de Propaganda]. Outra proposta é que um setor do governo acompanhe as pesquisas de TV — o IBGE, por exemplo.

Folha - Por que o governo faria isso?

Callegari - A televisão é uma concessão do governo. Movimenta US$ 1,1 bilhão por ano e sustenta 50 mil pessoas. Temos que ter uma pesquisa correta e acompanhada por uma instituição governamental, para que todas as emissoras possam crescer. Todas são prejudicadas pelo Ibope. Quem disse que o Clodovil, quando estava na Manchete, só tinha quatro pontos de audiência? Era um programa comentado por São Paulo inteiro. Luciano do Valle é outro que sempre perde da Globo nas narrações de futebol. Luciano do Valle é o melhor, quem assiste programas esportivos sabe.

Folha - Quais dúvidas o SBT levanta sobre a metodologia utilizada pelo Ibope?

Callegari - Várias. Quando a pesquisa era flagrante, todos os bairros da Grande São Paulo eram visitados no decorrer de oito semanas. Agora, há quase dois anos, essa amostra é a mesma. A Grande São Paulo tem 16 milhões de habitantes e apenas 600 aparelhos de medição há um ano e meio. É um absurdo. Outro erro: quando o Ibope vai instalar um aparelho em sua casa ele não pergunta como é a recepção de imagens. Quem me disse isso foi a diretora de pesquisa de mídia do Ibope, Ana Lucia D'Império. A própria amostra de classes está errada. O Ibope trabalha com uma amostragem antiga: 6% é classe A, que tem o poder aquisitivo, quando na verdade isso já caiu para 2% .

Folha - O que acontece de "estranho"com a audiência?

Callegari - Quando reprisamos "Querida Encolhi as Crianças", no último domingo às 13h, a medição imediata, de 250 domicílios, nos dava uma vitória de 18 a 17 pontos contra a Globo, que exibia a Xuxa. Na medição definitiva, que usa 600 domicílios, perdemos de 20 a 18 pontos. Atualmente, nesta medição definitiva, o SBT só perde. Quando foi implantada a amostra maior, no final do ano passado, nas três primeiras semanas o SBT teve um crescimento em média de 10% a 15%. Eram até cinco pontos a mais em relação à amostra anterior. De repente, esses pontos foram para a Globo. Todas as famílias que durante três semanas davam audiência para o SBT deixaram de nos assistir? Não há explicação para isto. Em todo feriado prolongado, só o SBT perde pontos. Isso quer dizer que só quem viaja é o público do SBT? E quando uma emissora fica fora do ar e continua dando 30 pontos de audiência?

Folha - O Ibope explica esses fenômenos?

Callegari - O Ibope não nos deu nenhum tipo de retorno.

Folha - O Ibope diz que o SBT reclama porque é sempre 2° lagar.

Callegari - Não é verdade. Só quando existe um grande flagrante é que o Ibope aceita a nossa boa audiência. Por exemplo, o sucesso do "Aqui Agora" em cima de "O Mapa da Mina", da Globo, que é um fracasso total.

Voltar

Fonte: Banco de Dados TV-Pesquisa - Documento número: 52442