PUC-Rio

Voltar

Nova Consulta

Jornal/Revista: Folha de S. Paulo
Data de Publicação: 21/04/1996
Autor/Repórter: Daniel Bramatti

ERROS MARCAM GRAVAÇÃO NA ARGENTINA

Buenos Aires - Sônia Braga — demitida por faltar às gravações da novel; "Antônio Alves, um Taxista" — não exagerou ao denunciar, há alguns dias, a desorganização da produção e falhas no roteiro.

A reportagem da Folha esteve na Ronda Studios, em Buenos Aires, e testemunhou, em três horas, dois erros de continuidade. Um erro acontece, por exemplo, quando um artista aparece vestido de modo diferente em cenas subseqüentes, sem que a troca de roupa esteja no roteiro.

Os erros foram detectados pelos próprios artistas brasileiros — cuja paciência e profissionalismo se destacam diante dos improvisos da equipe argentina.

A iluminação deixa enormes sombras atrás dos personagens, denunciando a existência de holofotes. Os cenários, de madeira, não convencem. Figurantes argentinos não podem falar em cena para que os microfones não captem diálogos em espanhol.

A seguir, os trechos mais conturbados da gravação do capítulo 20, realizada na segunda-feira:

CENA 1:

Matilde (Daniela Camargo), vestindo um roupão, discute com seus cunhados Tony (Fábio Jr.) e Amélia (Elaine Cristina). Matilde havia chegado da delegacia, onde declarou ter sido vítima de uma tentativa de seqüestro.

Tony diz que Matilde mentiu. Irritada, ela ameaça ir para o quarto, mas Amélia a impede: "O quarto não é mais seu."

"Ah, então quer dizer que não tem mais lugar para mim?", pergunta Matilde. Terminada a gravação, os atores vão para outro cenário. De repente, Elaine Cristina percebe o erro e tenta explicá-lo ao diretor. "Como a Matilde já estava de roupão se ainda não tinha ido para o quarto?"

O diretor diz que não há problema. "Ela foi raptada de roupão, pronto!", brinca Fábio Jr.

CENA 2:

Tony janta com Amélia e Júnior (Vinícius Ventura). Toca o telefone celular de Tony. Os irmãos ficam surpresos. Tony saca o aparelho de um estojo de couro na cintura. "Ah. Você comprou um celular", diz Júnior.

Fábio Jr. interrompe o ensaio e alerta o diretor sobre o novo erro. "Como é que esse celular só apareceu agora? Por que só agora notaram o telefone?", pergunta.

Nas cenas anteriores, vários "takes" mostravam o ator de corpo inteiro. Refazer as cenas significaria perder duas horas. Por fim, o diretor decreta: "O celular estava oculto. Quando você atender, faça como se o estivesse tirando aí de trás".

"Como? Então eu uso o celular nas costas?", pergunta Fábio Jr., com um sorriso irônico. Com a resignação que Sônia Braga não teve, ele obedece a orientação.

Voltar

Fonte: Banco de Dados TV-Pesquisa - Documento número: 55982