PUC-Rio

Voltar

Nova Consulta

Jornal/Revista: Jornal do Brasil
Data de Publicação: 27/03/1988
Autor/Repórter:

TV RIO INICIA NOVA FASE COM FESTA EVANGÉLICA NO MARACANÃ

Uma grande festa ecumênica no Estádio do Maracanã marcou a inauguração da nova TV Rio, canal 13, a primeira estação no Brasil dirigida ao público evangélico. Cerca de 40 mil pessoas de todo o estado - a maioria integrantes de grupos religiosos - participaram do evento, ontem à tarde, que incluiu a apresentação de cantores, conjuntos, duplas, capoeiristas, ginastas e até a Confraria do Garoto, reconhecida pelo apresentador oficial da solenidade, deputado Fausto Rocha (PFL-SP), como "a mais carioca das entidades" ali presentes.

A TV Rio entrou no ar precisamente às 14h, transmitindo direto do Maracanã, embora em caráter experimental até o próximo dia 20, quando então passará a gerar imagens de forma regular para todo o Estado do Rio, onde vivem cerca de 4 milhões de evangélicos.

Apesar do calor, os religiosos, quase todos acompanhados das famílias, começaram a chegar ao estádio por volta das 10h. De terno, ou vestindo uniformes, como os integrantes da Igreja Universal Reino de Deus, os evangélicos iam sendo acomodados pelos 10 mil seguranças -também membros de igrejas protestantes - nas arquibancadas e cadeiras próximas ao gramado, onde foi armado o palco da festa.

Enquanto técnicos da televisão providenciavam os últimos acertos, grupos de religiosos oravam, cantavam hinos, liam a bíblia distribuída a todos os presentes pelo Bispo Macedo, acompanhada de rosas. A festa começou ao meio-dia, com a exibição de grupos de dança afro-brasileira, ginástica rítmica e aeróbica, além da apresentação ao vivo de destaques do hit-parade evangélico, como Marilene Santiago, Shirley Carvalhaes, Martim Lutero e Ed Wilson, um ex-ídolo da Jovem Guarda.

O dono da festa - o pastor Nilson do Amaral Fanini, novo dono da emissora - chegou ao estádio por volta das 13h, acompanhado da mulher, Helga, e de lideranças evangélicas de diversos estados e mesmo norte-americanos, alguns representando redes de televisões protestantes, entre eles diretores da CBN, a quarta emissora em audiência nos Estados Unidos, controlada pelo pastor Peter Robertson. Fanini, que chegou ao gramado pelo túnel dos juízes, fez uma rápida saudação e retornou ao túnel, onde conversou com assistentes sobre detalhes da festa.

O grupo estava desfalcado de Walter Clark, responsável pela programação da nova estação, que está com uma perna quebrada. Mesmo assim foi vários vezes lembrado durante todo o o evento pelo próprio Fanini, que sempre se referia a ele, como "genial". Pouco antes das 14h, um momento de emoção: Fanini e sua comitiva fizeram uma roda e o pastor João Batista Martim de Sá, da Igreja Batista de Campinas, São Paulo, rezou durante cinco minutos, pedindo "que a TV Rio seja agora um instrumento de Deus".

Mas o momento de maior emoção ocorreria logo depois das primeiras imagens geradas pela TV Rio, exatamente às 14h: a atriz Darlene Glória, hoje convertida irmã Helena Bandão, foi chamada ao palco e deu o testemunho de sua vida. Neste momento, a multidão emocionou-se e muitas pessoas chegaram a chorar. A atriz, que teve sua participação na festa gravada pela TV Manchete, para ser exibida na novela Carmem, ainda saudou a nova TV e todos os que estavam ali, cantando hinos evangélicos.

Em seguida, com a presença do ministro das Comunicações, Antônio Carlos Magalhães, foi iniciada a parte solene da festa. Acompanhado do deputado federal Haroldo de Oliveira, do secretário de promoção social do governo do estado, Audio Leite, Magalhães atravessou o gramado a caminho do palco e parou exatamente no centro do campo ao ouvir os primeiros acordes do Hino Nacional, executado pela Banda do Corpo de Fuzileiros Navais. Ele falou rapidamente sobre a importância da nova televisão e também respondeu algumas perguntas sobre política, reafirmando que a questão do mandato presidencial "é caso encerrado" e que a novidade ficaria por conta de uma reforma ministerial, nos próximos 40 dias.

Depois, o pastor Fanini apresentou a diretoria da emissora, agradeceu novamente a Deus e orou, junto com todos os presentes. O espetáculo teve ainda revoada de pombos e chuva de pétalas de rosas.

UM PROGRAMAÇÃO DIFERENTE - Nos próximos dias, a população do estado já poderá notar que está diante de um canal de televisão um pouco diferente dos demais: não terá anúncio de cigarro, de bebidas, de jogos, nem filmes com cenas picantes. Além disso, reservará toda a manhã e o início da madrugada a uma programação exclusivamente evangélica, que terá até mesmo conselhos de religiosos à população.

Mas, para o proprietário da emissora, pastor Fanini, a nova TV não é evangélica, mas comercial: "O que existe é que sou evangélico, como o dono da TV Globo é católico e o da TVS é judeu, só isso', diz, lembrando que o grosso da programação ficará a cargo de Walter Clark, coincidentemente um funcionário da própria TV Rio na década de 60. Apesar das explicações, é do horário de programação evangélica, nesta primeira fase da TV, que virá o faturamento: 70% do espaço publicitário na parte da manhã já está vendido.

Quando estiver plenamente no ar -nos próximos dias será exibida uma programação em caráter experimental -, a TV Rio iniciará, às 6h30min, com um programa educativo e, entre 7h e 11h, o tempo será todo tomado por núcleos evangélicos. A partir daí, começa a programação dedicada exclusivamente ao Rio de Janeiro, em termos de serviço e de' jornalismo em geral.

Até as 19h, a programação estará. dividida em módulos de duas horas cada, coordenados por animadores diferentes. Serão clips e entrevistas nas ruas, com unidades externas, já apelidadas de carioquinhas. Depois das 19h, começa o hit parade, seguido de um programa policial. filmes seriados de muito sucesso no passado, como Paladinos do Oeste e Além da imaginação, além de um show de variedades. Haverá ainda um programa jornalístico às 23h, encerrando com uma hora dedicada à religião evangélica.

Para o pastor Fanini, "a nova TV. é da comunidade, e o povo será o elenco". As novelas ainda não estão nos planos. Ele reconhece que não tem como competir, neste tipo de programação, com a Globo e a Manchete.

EMISSORA JÁ SE ACHA PRETERIDA - Antes mesmo de disputar pontos no Ibope com as demais emissoras, a direção da TV Rio já se considera vítima do poder da TV Globo: ontem, três horas antes de começar a festa, o diretor comercial da nova estação, pastor Flávio Lima, queixava-se das dificuldades em usar o gramado para a apresentação dos grupos de danças. Teve que se contentar com uma faixa estreita, na lateral do palco, atrás das quatro linhas:

- Ensaiamos ontem no gramado, tudo estava combinado, mas a Suderj na última hora criou o problema", disse o pastor Flávio, usando de ironia ao lembrar: "A TV Globo põe Papai Noel e 5 mil pessoas no gramado, e a gente não pode botar 50." O pastor Flávio reforçou sua acusação lembrando que a decisão da Suderj com certeza não partiu do secretário de Esportes e Lazer, Léo Simões, segundo ele, "um grande amigo" do pastor Fanini.

Mas, para o engenheiro da Suderj, Eduardo Aguiar, tudo não passou de uma decisão técnica, dada, segundo ele, pelo próprio governador Moreira Franco, que, depois do estrago causado pelo show de Tina Turner, quer o gramado usado somente para jogos de futebol. Aparentemente conformado, o pastor Flávio, então, respeitou a decisão e colocou a segurança controlando o acesso ao interior das quatro linhas.

Voltar

Fonte: Banco de Dados TV-Pesquisa - Documento número: 7888