PUC-Rio

Voltar

Nova Consulta

Jornal/Revista: Jornal do Brasil
Data de Publicação: 21/03/1989
Autor/Repórter: Márcia Cezimbra

TV MANCHETE LANÇA 89

Com atraso, o canal 6 inicia modestamente a sua programação para este ano

Manchete lançará no ar a programação lanterninha de 1989 com uma grande largada prevista apenas para junho. É quando estréia Kananga do Japão, o maior investimento em novelas já feito pela emissora, e que tem a missão de recuperar o maior Ibope já alcançado no horário das 22h30 - a média de 20 a 25 pontos de Dona Beija, em 1986, a primeira a bater a Globo. A tarefa de Kananga do Japão, com direção da cineasta Tizuka Yamasaki e um elenco elaborado com forças de talento e de mídia, é ainda maior, de garantir -ou não - as novas produções. Uma segunda novela, o seriado Indiana Gomes, com o ator Mário Gomes, uma versão da série americana The Monkeys com os Miquinhos Amestrados, três minisséries e quatro contos brasileiros de uma hora só sairão do papel um mês depois do sucesso, comprovado em números, de Kananga do Japão.

Apesar de ser a última a exibir as novidades do ano, a expectativa da Manchete é de que Kananga repita, com melhor desempenho, o papel de azarão na disputa entre Globo e TVS nas batalhas do ano passado entre A praça é nossa e as séries da Globo, por exemplo, a novela Carmem da Manchete conseguiu, por vezes, um inesperado segundo lugar. "Se a audiência se estabilizar entre 15 e 20 pontos será vitória total", anuncia o diretor artístico da emissora, Jayme Monjardim. A grande atração de abril se resume ao humorístico Cabaré do Barata, com Agildo Ribeiro e direção de Augusto César Vanucci, toda quarta-feira às 22h30.

O anunciado musical liderado por Patrício Bisso, porém, foi adiado por dois ou três meses e o horário de 22h30, às segundas, continua com Ela & ela, as entrevistas com Leila Richers e Miéle. Os outros programas do horário - Sem limite, às terças e Osmar Santos, às sextas - sofreram ligeiras alterações de cenários e os especiais se concentrarão, a partir de 6 de abril, nas quintas: Amazônia urgente (dia 6), Lulu Santos (13), Tancredo Neves (20), Sandra de Sá (27). A emissora acerta ainda esta semana um show nas noites de sábado apresentado por César Filho. Jayme Monjardim justificou o atraso de 1989 com as obras de reestruturação dos estúdios de Água Grande, que, nos próximos dois meses, deverá receber 60% da produção local. Apenas os programas de estúdio pequeno - CinemaniaBarata permanecem, Programa de domingo, Cabaré do Barata - permanecem no Teatro Adolpho Bloch, na Glória.

A atriz principal que deverá puxar a audiência de Kananga do Japão será anunciada esta semana, sob desmentidos da emissora sobre ofertas de luvas de Cz$ 50 mil. "Estes números estão inflacionando os salários do elenco inteiro, mas são falsos", protesta Monjardim. Com ou sem luvas, o personagem já foi recusado por Bruna Lombardi, Glória Pires, Elizabeth Savalla e Claudia Raia. Ele negou também a boataria de que a emissora não teria a verba para esta superprodução e convidou quem duvida da cidade cenográfica exclusiva de Kananga para uma visita às obras em Grumari. A novela será rodada lá e nos estúdios de Água Grande. A história de Wilson Aguiar Filho terá cenários de Rodrigo Cid, fotografia de Francisco Carvalho, arte de Beto Leão e direção assistente de Carlos Magalhães (exdiretor do global TV pirata). No elenco já estão confirmados Ana Beatriz Nogueira (premiada em Berlim pelo filme Vera), Rubens Correa, Nélson Xavier, Cláudio Marzo, Carlos Alberto, Marcos Palmeira, Gianfranceso Guarnieri, Cristina Mullins, Chico Diaz, Bia Seidl, Rodrigo Santiago, Paulo Castelli, Sérgio Viotti, Georgia Gomide, Rosamaria Murtinho, Maurício do Vale, Terezinha Sodré e Tarcísio Filho. A trama foi ambientada nos anos 30 por uma nostálgica fantasia do presidente da emissora, Adolpho Bloch, de recriar um antigo dancing da Praça Onze, o Kananga do Japão, numa época de grande efervescência cultural e política do país.

REPRISES DE VELHAS EMOÇÕES

Autor/Repórter: Rogério Durst

Enquanto não chegam as novidades, a Manchete é mais uma emissora a adotar a econômica estratégia de rechear de reprises sua programação. Mas se outras emissoras tratam velhos seriados como filé mignon, apostando na tal nostalgia, a Manchete vai mesmo é de carne de pescoço: Kojak, Baretta e Incrível Hulk. Junto com O homem invisível e Xerife Lobo aqueles três famosos brutamontes, que fizeram muito sucesso por aqui no passado, voltam para disputar à socos e tiros uns pontinhos de Ibope para a combalida emissora de TV da Bloch.

Kojak é o mais antigo do lote. Em todos os sentidos. O seriado, estrelado por Telly Savallas entre 1973 e 1978, ficou famoso pelas idiossincrasias de seu personagem. Apesar de ser um implacável tenente da polícia novaiorquina, Theo Kojak chupava pirulitos, fumava os femininos cigarros, chamava a todos de "neném" e escondia a brilhante careca em vistosos chapéus. As esquisitices do moço ficaram tão famosa aqui que acabaram virando sucesso carnavalesco na voz de Nélson Gonçalves. Mas como o espectador poderá conferir às segundas, às 23h30, quem fizer piadinhas com o ridículo personagem vai se dar mal.

Violência é também a essência de Baretta, estrelado pelo tampinha Robert Blake, um ex-ator infantil. O seriado, produzido entre 1975 e 1978, explorava um detetive exótico e era presença obrigatória nas discussões sobre violência na TV, tão comuns nos estranhos anos 70. Quem der uma olhada em Baretta hoje - ou melhor, quinta às 23h30 - não vai ver nada demais pelos padrões vigentes. Em compensação verá um seriado interessante com um policial popular e mundano vivendo aventuras imaginativas e filmadas num ritmo ligeiro e locações convincentes.

Incrível Hulk é uma adaptação para a TV de um famoso personagem das histórias em quadrinhos, um cientista que quando irado vira monstro. Bil Bixby é o homem e Lou Ferrigno, a besta. Apesar de trocar o delírio dos quadrinhos por uma abordagem mais realista, este Hulk, produzido entre 1978 e 1982, fez muito sucesso entre as crianças. Tanto que neste momento em que a velha série reprisa aqui - às segundas, quartas e sextas, às 11h e 16h - uma nova já está rolando nos Estados Unidos desde meados do ano passado.

Voltar

Fonte: Banco de Dados TV-Pesquisa - Documento número: 8990